Oracle Data Guard 11g com VirtualBox – Parte 1
novembro 26, 2012

Introdução

Parte 1

Parte 2

Parte 3

Parte 4

Parte 5

Parte 6

Esse é o primeiro post de uma série inteira que está por vir, explicando passo a passo a instalação e configuração do Oracle Data Guard 11g utilizando o VirtualBox.

O Oracle Data Guard faz parte do Oracle Database High Availability, ou seja, estamos falando de alta disponibilidade (HA).  Diferentemente do Oracle RAC o Data Guard trabalha exclusivamente com os dados do seu banco, dados esses que são o bem mais crítico do negócio de uma empresa. O Data Guard é uma solução de proteção a dados como também, a disponibilidade deles, que cria e mantém um ou mais bancos de contingência (standby) sendo possível assim, recuperar de um completo desastre.

Não gosto de chamar o Oracle Dataguard simplesmente de um banco de standby, por que ele vai além disso as opções de configuração e otimização levam ele a um grau muito acima do que um simples banco de contingência. (veja mais sobre ele aqui)

Em uma configuração Data Guard, sempre terá o banco de dados primário e um ou mais bancos de standby, este por sua vez só será ativo quando houver problemas no banco primário, ou por qualquer outro motivo que precisamos utiliza-ló, como por exemplo uma manutenção no servidor onde o banco de dados primário encontra-se.

Sempre que um banco standby for ativado (switchover) ele é automáticamente “transformado” no banco primário e o banco primário passa a ser o standby. Podemos também realizar a volta (switchback) em que o banco standby atual (antigo primário) volta a ser o banco de dados produção e o atual primário (antigo standby) torna a ser o o banco de contigencia novamente.

Seja o modelo de uma configuração básica do Dataguard.

 

A partir do 11g, existe três tipos de Data Guard:

  • Physical database : É a cópia física perfeitamente identica do seu banco primário. Realmente é um clone feito bloco a bloco mantendo toda a estrutura de diretório, schemas, objetos e etc … Ele é mantido sincronizado através do Redo Apply.
  • Logical database: Ele contém a mesma estrutura lógica (tabelas, objetos, indexes etc …) porém a sua organização física e estrutural pode ser diferente. Ele é mantido sincronizado através do SQL Apply.
  • Snapshot database: Ele é um banco de contingência que é possível realizar qualquer movimentação de dados e ainda assim ele se mantém sincronizado, ou seja ele permite que qualquer sessão altere qualquer informação no banco enquanto ele se mantém sincronizado. Na verdade, enquanto o banco está aberto para utilização, ele represa os archives que são aplicados assim que voltamos o banco no modo standby.
Estaremos vendo aqui os três tipos de Data Guard, passando pelo Physical depois Logical e em seguida o Snapshot.
Vamos também aprender sobre o Oracle Data Broker, que automatiza (E MUITO) as operações de manutenção e monitoramento do Data Guard Oracle.
Caso queiram tirar alguma dúvida sobre Data Guard por favor deixe um comentário, no possível … estarei ajudando :)

Pré-Requisitos:

 Vou começar esse artigo passando desde a criação da máquina virtual, então você que não está familiarizado com a instalação do Oracle no Linux, fique despreocupado que vamos ver tudo aqui.

Para poder acompanhar vamos precisar:

  • Virtual Box instalado na máquina
  • Software Oracle 11g R2 (não é preciso o release 11.2.0.3).
  • ISO do Oracle Linux 5.x (ou similares). Você pode fazer o download gratuito aqui, basta apenas se cadastrar
Vamos precisar de duas VM rodando na máquina, por isso recomendo que sua máquina tenha no mínimo 4G de RAM, vamos criar as máquina com 1G cada uma. Caso você não tenha 4G de RAM na sua máquina não tem problema, crie suas máquinas virtuais com menos RAM, porém as coisas irão ficar um pouco mais lentas.

Configurando o VirtualBox

Com o VirtualBox instalado, vamos realizar as configurações de Network.
Ao abrir as preferencias do VirtualBox a tela abaixo irá ser mostrada:
Clique na aba Network, e adicione mais um adaptador de rede clicando no ícone de “+” no canto direto da tela.
Adicione as seguintes configurações de IP nessa nova placa de rede.
 Certifique-se que não existe nenhuma configuração de DHCP, como mostra abaixo:

Criação da máquina Virtual (DB Primary).

Com as configurações necessárias feitas, vamos agora a criação da VM onde será o nosso Database Primary. Com o VirtualBox aberto clique no botão New.

Como a versão da minha ISO do Oracle Linux é x86-64, a versão minha selecionada foi o Oracle Linux 64bits. Caso a versão da sua ISO for x86 selecione a opção 32bits.

Selecione a quantidade de memória desejada.

Aqui temos nossa VM criada, vamos a algumas configurações necessárias. Por isso, selecione a VM DB Primary e clique na opção Settings.

Na aba System, remova o Floppy disk no Boot:

Clique na opção Processor, e caso você deseje, adicione mais um processador a máquina virtual.

Vá a Aba Storage, para adicionarmos a ISO de instalação do Oracle Linux.

Selecione o disco vázio na Controladora IDE, remova clicando no icone “-”.

Clique no icone +, e selecione a ISO do Oracle Linux.

Agora a última configuração, vá a aba Network e defina o adaptador como Host-only Adapter e selecione o adaptador vboxnet1.

Instalação do Oracle Linux

Agora sim, vamos a instalação do Linux. Inicie a máquina virtual.

Vamos cancelar essa etapa de checagem dos discos. Selecione o Skip e continue.

Aqui será mostrado uma mensagem de que estaremos iniciando a configuração de disco. Selecione em Yes e continue.

Selecione a opção Create custom layout, e continue.

Vamos agora, definir o layout do disco. Como o disco foi criado com 20G, estarei configurando da seguinte maneira:

  • Swap: 1G
  • Partição / com 19G.

Fique a vontade para configurar da maneira que desejar. Clique no botão New.

Defina o Swap.

Clique no botão New novamente e defina a partição / como ext3 e clique na opção Fill to maximum allowable size.

Na próxima tela, apenas continue.

Vamos agora a configuração da rede. Selecione o adaptador eth0 e clique no botão Edit.

Aqui estarei definindo o IP: 20.0.0.10 com o Netmask: 255.255.0.0

Com o adaptador configurado, vamos definir um hostname para o Linux instalado. Após deixar como a figura abaixo clique em Next.

Selecione o TimeZone de SP:

Defina agora a senha do usuário root, que aqui vou colocar como oracle.

Vamos agora uma das partes mais importantes, a definição dos pacotes. Selecione a opção Customize now e clique em Next.

Em Desktop Enviroments, deixe as opções como está. Clique em no item Applications.

Deixe as opções como na imagem abaixo:

Agora em Development, deixe as opções novamente iguais. Clique no item X Software Development e clique em Optional packages.

Selecione o pacote libxp-devel para ser instalado e clique em Close.

Agora vamos para o Server, e deixe iguais as opções de instalação.

Vá para a opção Base System agora e deixa como as opções da figura abaixo. Depois de feito, selecione a opção System Tools e clique na opção Optional packages e selecione o pacote sysstat para ser instalado.

Depois de feito, clique em Next.

Iniciando a instalação.

Com a instalação concluida, vamos reiniciar a máquina.

Desabilite as opções de Firewall.

Não vamos criar nenhum usuário agora, clique em Next e depois em Continue.

Instalação do Guest Additions VirtualBox

Com o nosso Linux instalado, vamos instalar o Guest Additions do VirtualBox que nada mais é que um otimizador da VM. Com a VM ligada vamos logar na máquina com o usuário root.

Após de logado, clique no item Install Guest Additions.

Um disco será criado e adicionado na máquina Virtual como mostra a figura abaixo.

Abra um terminal e vá para o diretório /media/VBOXADDITIONS … e execute o script VBoxLinuxAdditions.run

Temos agora a máquina virtual necessária para instalarmos o Oracle Database 11g. Na nossa próxima parte dessa série estaremos então instalando o Oracle Database 11g.

Um abraço, espero que tenham gostado da idéia e continuem acompanhando. Qualquer dúvida post um comentário ..

8 comments on “Oracle Data Guard 11g com VirtualBox – Parte 1

  1. Nuno Santos on said:

    Parabéns e continuação do bom manual :)

  2. Ricardo Ausier on said:

    Muito bom o manual, parabéns, aproveito a oportunidade para tirar uma duvida., esse procedimento para linux, está muito bom, e se fosse para windows 8 interprece, mudaria o que?
    Grato e parabéns

    • Olá Ricardo, obrigado pelo comentário.

      Na verdade mudaria somente a instalação do Oracle, a configuração do Data Guard continuaria a mesma.

      Continue acompanhando o blog sempre que puder!

      Um abraço.

  3. Ricardo Ausier on said:

    Prezado…
    Duvidas na instalação do DataGuard. Eu já instalei o Oracle 11g R2. em outro servidor, não é maquina Virtual. ok o Banco de dados, está funcionando 100%; agora a duvida é como instalar o DataGuard para esse banco reconhecer os meus dois Bancos, um de produção e outro de Desenvolvimento, lembrando que meu sistema operacional é Windows. 8 64 Bits. será que você poderia me ajudar.
    e-mail ausier@gmail.com

  4. Vládia on said:

    Oi Flávio,

    Estou com dúvidas na configuração da rede. Fiz o passo a passo certinho, mas quando tento acessar a internet pela vm, eu não consigo. Percebi isso quando fui tentar instalar alguns pacotes pendentes pelo yum install. Instalei o Linux de versão 6.6. Ele diz que não pode resolver o nome. Não entendo muito dessa parte de rede, se puder me ajudar, vou ficar grata!

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

*